domingo, 23 de julho de 2017

A Canção como vibração de um fruto maduro: Fruta Gogoia

                                            fonte :http://bit.ly/2eIvzj5

                                   fonte :http://bit.ly/2eIvzj5
A canção como vibração de um fruto maduro: Fruta Gogoia,

Cantar é saber dizer linguagens, é legitimar a música, a letra, é aumentar o ganho sonoro com a interpretação que se faz. Isso ocorreu com o CD (com 18 faixas) e show “Fruta Gogoia”, com Jussara Silveira e Renato Braz.
Para aumentar a dimensão do fato, o show no Sesc Vila Mariana, na última sexta feira 08.07, estrondou a cena e o público aplaudiu de pé inúmeras vezes.

O álibi foi a homenagem a Gal Costa, 50 anos de carreira, em seu repertório ao longo de décadas. Mas a escolha é que foi esculpir em ferro: difícil, mas acertadíssima. Fizeram  parte  assim  compositores que vão de Tom Jobim a Caetano Veloso, passando por Dorival Caymmi, Jards Macalé, Chico Buarque, Luiz Melodia. 


O SESC  teve a honra de agasalhar este projeto que marcará sua carreira, já longa de grandes produtos culturais. Danilo Miranda estava presente na estreia, no auditório, e não media fogo nos aplausos, junto com outros convidados.

Luiz Nogueira, produtor cultural e musical, teve a audácia de qualidade de se inspirar com perfume da flor de Gal Costa e cometeu seguidas audácias: ao juntar Renato Braz , Jussara Silveira e músicos estonteantes, afora o inesquecível arranjo de Dori Caymmi.

Apresentam-se entre outras músicas “Estrada do Sol”, de Tom Jobim e Dolores Duran; “Vapor Barato”, de Jards Macalé e Waly Salomão; “Folhetim”, de Chico Buarque; “Volta”, de Lupicínio Rodrigues; “Pérola Negra”, de Luiz Melodia; “Sorte”, de Celso Fonseca e Ronaldo Bastos; “Só Louco”, de Dorival Caymmi. Também não ficaram de fora da homenagem “Modinha para Gabriela” e, claro, “Fruta gogoia”.

Renato faz um dupla perfeita incorrigível com Jussara, que, por sua vez, canta com o corpo todo e rearranja o corpo e o vestido com suas mãos que regem por inteiro as canções de modo a dar um outro tom à música. Ela rege muito bem com seus dedos como se violasse a melodia com e no corpo, que também vibra.

Ela é uma cantora de extremo bom gosto e sem audácia de querer ser  insuperável e, assim, torna-se. E, mais, faz brilhar estalos da sua loucura de intérprete. Sua simplicidade é o segredo de seu tônus, que ultrapassa ditames do é que ser uma a cantora: ela é a própria fruta gogoia, é uma moça, é uma joia!

Ele, Renato, na sua forma de estar em cena, passa a tranquilidade dos que tem sede de cantar se encontrado consigo ao vozeirar as canções qual uma viola do mato afinada junto às frutas, as canções. Assim seu violão e sua voz assaltam-nos de emoção e poesia soberba.

O repertório não tem falha, é um repaginação da música brasileira, feito com um cuidado de quem sabe ouvir e redizer.

Os  arranjos tiveram a batuta doce e clássica de Dori Caymmi que tanto já arranjou  para Gal Costa, mas todos os arranjos pensados para as canções do disco traduzem a elegância das composições, chamando um time de músicos conceituados para executar suas faixas. Além de  Dori, que toca violão – no disco – em algumas das faixas; Itamar Assiere, no piano; Celso de Almeida, na bateria; Teco Cardoso, nos sopros; Swami Júnior, no violão 7 cordas; Sizão Machado, no baixo; Bré Rosário, na percussão; e Toninho Ferragutti irrepreensível e deslumbrante no acordeom. Toninho é responsável também pelo arranjo da canção que dá título ao disco. Além disso, Mário Gil faz a produção musical e o violão na faixa “Meu bem, meu mal”.

Algumas canções são acompanhadas por um octeto de sopros, com a nata dos músicos de sua vertente. Outras por um quarteto de cellos ou um conjuntos de cordas. Neste caso, a arregimentação ficou nas mãos do maestro Claudio Cruz, fantástico.

Na estrutura visual, caso do show, disco e no design de imagens de Regina Silveira, que veio de modo mais público mostrar sua raça, seu verniz de extrema beleza estética e que canta com o som. (Cenário: E programação visual do Cd(Fauna Brasiliensis, 2017. Regina Silveira.Criação: Estúdio Regina SilveiraAnimação: StudioIntro. )

"Eu vi o tempo brincando ao redor da voz latejando música. Por isso essa força estranha..."

Isso é que resumiria o disco e o show.


* Disponível Lojas SESC e breve Livraria Cultura



Nenhum comentário: